Notícias

25/07/2023 16:36
Bradesco
Atualização 25/07/2023 16:39
Justiça bate o martelo e Bradesco terá que pagar R$ 800 mil por mortes em assalto Bradesco

Justiça bate o martelo e Bradesco terá que pagar R$ 800 mil por mortes em assalto

Há dois anos, houve um assalto em uma agência do Bradesco, no qual quatro criminosos deixaram duas vítimas fatais e uma jovem, que era cliente do banco, gravemente ferida por causa de um tiro que atingiu sua cabeça. 

Desde então o caso estava em andamento na justiça, graças a uma Ação Coletiva do Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo (IBEDEC). As investigações da polícia apontaram que quatro assaltantes trocaram tiros com os seguranças do banco. 

Quando o Bradesco tomou conhecimento do caso, informou que a proteção deveria ser dever do Estado, e não da instituição financeira. No entanto, esse argumento não foi aceito pela juíza Urbanete de Angiolis Silva. A princípio, o pedido de indenização era de R$ 15 milhões, mas ficou definido em R$ 800 mil.

Indenização por danos morais coletivos

O caso aconteceu em Vitória do Mearim, na Baixada Maranhense, deixando dois vigilantes do Bradesco, Kessio Carlos e Edson Nascimento, mortos. A vítima que sobreviveu ao assalto é identificada apenas como Yara. 

A juíza afirmou que é obrigação da instituição financeira garantir um ambiente seguro a seus funcionários e clientes. A natureza da atividade desempenhada, tanto nas dependências do seu estabelecimento comercial quanto no interior de estacionamentos conveniados devem ser consideradas.

Com base nesse entendimento, Urbanete decidiu que os pedidos apresentados pelo Bradesco são inválidos. Nesse sentido, a magistrada julgou procedente a pretensão da parte autora e condenou a parte ré, ou seja, a instituição financeira, a pagar o montante de R$ 800 mil por danos morais coletivos. 

Essa quantia será destinada ao Fundo Estadual de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor. Além disso, a juíza determinou que a indenização deve ser acrescida de juros e correção monetária a partir da data de publicação da sentença. 

Angiolis usou o Código de Defesa do Consumidor

A juíza Urbanete de Angiolis Silva fundamentou sua decisão na aplicação de artigos do Código de Defesa do Consumidor. De acordo com a lei, a prática de crimes por terceiros que resultem em arrombamento do caixa eletrônico para obter dinheiro é considerada uma situação de fortuito interno. 

Esse termo é usado para descrever um acontecimento imprevisto, que não pode ser atribuído à força maior, mas sim a uma falha interna no serviço prestado.

Fonte: Seu crédito digital

Compartilhe:

Controle sua privacidade

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Clique em "Minhas opções" para gerenciar suas preferências de cookies.

Quem pode usar seus cookies?

×

Cookies necessários

São essenciais pois garantem o funcionamento correto do próprio sistema de gestão de cookies e de áreas de acesso restrito do site. Esse é o nível mais básico e não pode ser desativado.
Exemplos: acesso restrito a clientes e gestão de cookies.

Cookies para uma melhor experiência (2)

São utilizados para dimensionar o volume de acessos que temos, para que possamos avaliar o funcionamento do site e de sua navegação e para oferecer a você melhores produtos e serviços.
Exemplos: Google Tag Manager, Pixel do Facebook, Google Ads, Google Analytics.mais detalhes ›

Shareaholic

Google Analytics - Estatística Básica