Agende-se
FALE COM SEU SINDICATO

Entre em contato com o Sindicato através do nosso WhatsApp (47) 99776-0330, ou e-mail: sindicato@bancariosblumenau.org.br.

Vídeos
Coronavírus: não vá ao banco sem necessidade (Seeb Curitiba e Região)

Contraf-CUT indica aprovação de Relatório Anual da Cassi

Apesar de indicar a aprovação, entidade critica decisões da diretoria e do conselho deliberativo que penalizaram os associados.
 
A votação do Relatório Anual da Cassi de 2019 começou na sexta-feira (8). Os associados, tanto da ativa, quanto aposentados, podem votar até o dia 15 de maio pelo site da entidade, onde também têm acesso ao relatório na íntegra e a um manual de votação. A votação também pode ser realizada pelo aplicativo da Cassi para celulares, pelos terminais de autoatendimento do Banco do Brasil e, quem é da ativa, pode votar pelo Sistema de Informações Banco do Brasil (SisBB).
 
A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) indicam a aprovação do relatório por entender que o mesmo espelha, de forma adequada, o balanço e as contas do exercício de 2019, ambas aprovadas pelo Conselho Fiscal da entidade.
 
Mas, o coordenador da CEBB, João Fukunaga, salienta que o resultado positivo do balanço só foi possível graças à negociação com o banco, feita pelas entidades sindicais e representativas, sob a coordenação da Contraf-CUT.
 
“Estas negociações produziram a reforma estatutária que foi aprovada por 2/3 dos associados e que garantiu o aporte pelo banco de mais de R$ 1 bilhão em 2019, sem a contrapartida dos associados. Caso contrário, a Cassi teria fechado no vermelho e a direção fiscal decretada pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) não teria sido suspensa”, observou Fukunaga. “Portanto, foi o esforço das entidades representativas do funcionalismo nas negociações com Banco do Brasil que salvaram a Cassi, e não a confiança dos associados na diretoria, como afirmou o ego do presidente da entidade na live sobre o relatório anual”, completou.
 
“Afinal, se fosse a confiança na diretoria indicada pelo BB e naqueles eleitos pelo banco, o associado teria aprovado a reforma estatutária de 2018 quando o banco rompeu as negociações e levou à votação um estatuto que retirava direitos dos associados, uma perda escrachante para o BB, para o atual presidente da Cassi e para o diretor eleito Samurai”, finalizou Fukunaga.
 
Apesar da indicação da aprovação do relatório anual pois os números apresentados refletem a realidade, vale ressaltar críticas com o que o relatório é omisso e mesmo a postura da diretoria da Cassi quanto às indagações dos associados e das entidades representativas.
 
Críticas
A Contraf-CUT também critica as tentativas da maioria da diretoria e do conselho deliberativo da Cassi que, no início de 2019, aprovaram, à revelia dos associados, um aumento na coparticipação em consultas e exames em percentuais. Esses aumentos penalizam os menores salários e até hoje perduram.
 
Muito disso reflete na diminuição de utilização de exames e entre outros apontada pelo relatório anual. Lembrando que o aumento de coparticipação somente onera o associado uma vez que o Banco do Brasil não é atingido por essa medida, assim fica fácil os indicados do banco votarem por esse aumento, mas não o eleito pelo associado. Outra crítica da Contraf-CUT é com relação à decisão do diretor eleito Satoru em retirar receitas da Cassi e assim reduzir o valor cobrado pelo programa de saúde ocupacional, desonerando o banco e reduzindo receitas da entidade.
 
Estratégia Saúde da Família
O relatório é omisso quanto à expansão ou não da Estratégia de Saúde da Família e quanto ao Modelo de Atenção Integral à Saúde. “Esperamos que a diretoria e conselho deliberativo da Cassi defendam de fato os associados e entendam que este modelo é a única salvação da Cassi, como sempre apontou vários diretores eleitos e inclusive a consultoria Accenture, contratada pelo BB e que validou esses programas”, afirmou Fukunaga. “Não podemos nos curvar a entender a saúde como despesa a ser cortada, mas sim um programa de prevenção a ser ampliado. Não podemos cair nos interesses do banco, cair na tentação da redução de custos e abandonar estes serviços, que contribuem para a manutenção da saúde dos associados e seus dependentes”, ponderou Fukunaga.
 
O coordenador da CEBB também constatou a redução do Programa de Assistência Farmacêutica, com corte radical na lista de medicamentos cobertos pelo Programa. “O programa não deve ser considerado como benefício, mas como uma política de prevenção de saúde. O interessante que quem está cortando é um diretor eleito pelos associados”, observou.
 
Redimensionamento da rede assistencial
Fukunaga diz, ainda, que a Cassi revisou a rede de prestadores, alegando que o objetivo era elevar a qualificação da oferta de credenciados, considerando as necessidades dos participantes em relação aos serviços de saúde. A busca de parceiros alinhados ao modelo de atenção integral à saúde preconizado pela Caixa de Assistência e à sustentabilidade do plano resultou na inclusão de 1,1 mil novos prestadores e no descredenciamento de outros 3,8 mil. O ano encerrou com 30,7 mil credenciados.
 
“Não tem nada de elevar a qualificação da oferta. Trata-se de redução da rede. Existe uma meta de redução de rede fixada e cobrada dos gerentes de unidades. E, agora, estão com problemas, porque a covid-19 mostrou que a redução da rede é perigosa. Não há rede em várias cidades do interior e eles promoveram corte de credenciados, reduziram cerca de 5 mil credenciados. E não foi para buscar parceiros alinhados. Foi corte linear, sem critérios definidos, porque eles acham que a redução da rede diminui as despesas. E agora o corte de hospitais pode significar perda de leitos em tempos de covid”, criticou o coordenador da CEBB.
 
Cobrança de contribuições do BB
O relatório afirma que a Cassi iniciou, no final de 2019, um projeto piloto no Distrito Federal requerendo, em um grupo pré-definido de ações trabalhistas coletivas dos funcionários do Banco do Brasil, o direito de receber percentual referente às contribuições patronal (4,5%) e pessoal (4%) dos reclamantes, na hipótese de haver condenação em verbas incluídas no conceito de proventos gerais.
 
Fukunaga diz que não há a necessidade de piloto como vende o presidente da Cassi. “Bastaria a Cassi entrar na Justiça pedindo que o BB recolha a demanda, afinal é isso que se espera do presidente da entidade e não a vender favas”, disse.

 

Fonte: Contraf-CUT | 12/05/2020
SEEB - Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Blumenau e Região
Rua Coronel Vidal Ramos, nº 282 - CEP: 89010-330 - Centro - Blumenau
Fone: (47) 3326.3116 | Whatsapp: (47) 99776-0330 | E-mail: sindicato@bancariosblumenau.org.br
Criação e desenvolvimento de sites